quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Fechamento Anual das Operações com Contratos Futuros e Resoluções de Ano Novo


Veja meu novo site Aqui 

Opa!

Eis que o último dia do ano chegou e estou aqui para fazer o último post do ano. Dezembro foi um retrato do ano que passou. Muita volatilidade nos mercados causada pelas tensões políticas e econômicas. Mas para quem opera no intra-day nas pontas comprada e vendida pouco importa se o mercado está subindo ou caindo, o importante é que o mercado esteja se mexendo. Vamos aos números do mês.


Conforme planilha acima, em dezembro participei de 17 pregões. Operei muito pouco neste mês, rodei apenas 26 mini-contratos de índice e 1 mini-contrato de dólar. Tive apenas um dia negativo e os demais fechei no azul. O total de ganhos foi de 120,00 e o total de despesas foi de 24,42. O líquido calculado foi de 95,58 o que me dá uma razão de 3,54 por contrato operado. A rentabilidade do mês foi então de 1,88% sobre o capital operacional de 5.079,24.


Conforme planilha acima, em 2015 participei de 222 pregões. Em 191 pregões fechei no azul e tive prejuízo em 31. O total de ganhos foi de 24.536,44 e o total de perdas foi de -13.196,00. Considerando as taxas de 6.383,14 fechei então 2015 com um líquido de 4.957,30 sem descontar o IR. Nada mal considerando que este foi meu primeiro ano como day-trader. O gráfico abaixo apresenta a evolução financeira decorrente das operações ao longo deste ano.


Resoluções de Ano Novo

No início deste ano tracei algumas resoluções de ano novo para 2015 (relembre aqui). Sinceramente acho isto uma tolice mas resolvi escrever como exercício. Vejamos o que aconteceu...

1 - Aumento de dedicação à minha empresa visando aumento de lucros.

Não aumentei a dedicação, foi-se o tempo em que dedicava 10, 12, 14 horas para a empresa. Não estou relegando a empresa a segundo plano, mesmo porque estou mantendo os compromissos com os clientes em dia e entregando os sistemas com o mesmo grau de qualidade costumeiro. Porém decidi empregar nas atividades da empresa o mesmo esforço que os meus sócios empregam, nem mais, nem menos.

2 - Diminuição de gastos visando maiores aportes. Ocorrerá um gasto não recorrente com um novo automóvel na ordem de 40.000 reais mas acredito ser possível diminuir os gastos médios mensais dos atuais 6.300 para algo próximo de 5.500. 

Conseguimos diminuir os gastos fixos para uma média mensal de 5.282. Tivemos gastos não-recorrentes com novo automóvel (45.000) e novo computador (4.000) mas os gastos fixos estão sob controle.

3 - Venda das 10 ações mais problemáticas da carteira (BRPR3, DIRR3, DTEX3, EUCA4, NATU3, OGXP3, PETR4, RAPT4, SAPR4, STBP11): aguardarei para isto o próximo ciclo de alta da bolsa, definitivamente não está na hora de vender nada. Além disto pretendo fazer os primeiros aportes em WEGE3 e KEPL3 bem como voltar a aportar na ANIM3.

O ciclo de alta veio conforme esperado e em março e abril fiz uma grande venda de ações. Metade do dinheiro foi usado para financiamento do carro e a outra metade foi aportada em FIIs. Porém não vendi todas as ações que tinha previsto. Da lista acima ainda continuo com as seguintes ações na carteira: DIRR3, DTEX3, EUCA4, NATU3, OGXP3, RAPT4, SAPR4, STBP11. Comprei WEGE3 e KEPL3 conforme estipulado.

4 - Diminuição de exposição aos FIIs de papel (XPGA11, FEXC11 e VRTA11).

Vendi apenas um pouco de XPGA11 mas ele ainda continua sendo minha maior concentração em FIIs.

5 - Continuação da política de aportes pontuais em FIIs de tijolos nos momentos mais oportunos: SDIL11, RNGO11, NSLU11B, HGRE11, AEFI11,  BRCR11, FIIP11B, FCFL11B, RBRD11.

Desta lista de FIIs não comprei FIIP11B e FCFL11B, os demais foram encarteirados.

6 - Continuação da política de aportes pontuais em ações de dividendos nos momentos mais oportunos: BBSE3, ABEV3, LEVE3, CIEL3, CMIG3, CTIP3 e ALUP11.

Desta lista de ações comprei todas mas antes não tivesse comprado CMIG3, foi sem dúvida a decepção do ano, e não foi por falta de aviso dos colegas.

7 - Continuação da política de aportes pontuais em ações de crescimento nos momentos mais oportunos: UGPA3, ITUB3, MDIA3, RENT3, TOTS3, BRFS3 e PCAR4.

Desta lista de ações comprei todas mas antes não tivesse comprado PCAR4, foi também uma das piores ações do ano. Outras também sofreram muito como MDIA3 e RENT3.

8 - Ficarei de olho também em outros ativos como o FIP XPOM11 e os títulos do tesouro atrelados à inflação. Poderei também realizar aportes pontuais LCI/LCA ou mesmo debêntures.

Decidi não aportar mais no FIP e até desfiz a posição que tinha. Comprei LCI/LCA de curtíssimo prazo e vendi para aportar na renda variável. Comecei comprar NTNB Principal 2035 quando a taxa de juros rompeu a barreira dos 6,5%.

9 - E finalmente a grande mudança do ano que será a substituição dos trades em ações pelos trades em mini-índice no intra-day. 

Esta sem dúvida foi a grande novidade do ano. Tomei a atitude certa em abandonar os trades com ações e iniciar os estudos de trades com contratos futuros. Para 2016 continuarei realizando as operações no intra-day, porém apenas com mini-contratos de índice. Talvez volte operar o dólar em prazos mais longos mas apenas para hedge de carteira.

Para 2016 não farei nenhuma resolução de ano novo. Aliás, vou fazer duas: ir à praia novamente com o Uozinho e tomar uma taça de açaí com a Srta. Bife pelo menos uma vez por semana, rs.

Um excelente ano novo a todos...
Uó!

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Investidores Vencedores em 2015 e Mensagem Natalina


Fala pessoAll!

Este é o penúltimo post do ano e o assunto de hoje é a rentabilidade dos pequenos investidores. Estamos na última parcial de 2015 e o grande vencedor até o momento é nosso colega Viver de Dividendos com a impressionante rentabilidade de 26,90%. Em seguida temos o colega Guardião com a ótima rentabilidade de 19,77%. E em terceiro lugar o colega Ceará com a também ótima rentabilidade de 18,03%.


Em novembro o colega Land obteve o maior aumento rentabilidade (2,45%). Seguido pelos colegas Guardião (2,34%) e Idiota (1,21%).

A maior queda de rentabilidade foi sofrida pelo colega Investidor Livre (-4.41%) seguido pelo colega Longe do Limite (-3,92%) e Eike (-3,31%).

Abaixo o gráfico das rentabilidades. A grande parte continua no vermelho. Se for considerar o desempenho atual da bolsa neste fim de dezembro este número pode aumentar.


A título de curiosidade, posto a carteira atual dos investidores mais bem colocados. Infelizmente o colega Guardião não tem divulgado sua carteira.

Viver de Dividendos


Ceará


Land


No mais desejo uma feliz natal a todos os colegas e leitores do blog! hohoho

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Ações da Petrobras e o Preço do Petróleo


No post de ontem (veja aqui) já tinha falado sobre a crise global das commodities que o mundo está vivenciando e está afetando o desempenho do nosso IBOV. Poucos dias atrás falei também sobre a queda do preço do minério (relembre aqui). Hoje falarei sobre a queda do preço do petróleo e sua correlação direta com o preço das ações da Petrobras.

O gráfico abaixo apresenta a evolução do preço do Brent até o dia de ontem. Notem que estamos nos níveis mínimos de 2008/2009.


Agora vejamos e evolução do preço das ações preferenciais da Petrobras. Notem que os níveis de 2008/2009 já foram perdidos meses atrás e agora estamos no níveis de 2004.


A Petrobras não sofre apenas com a queda do petróleo. Tornou-se instrumento de arrecadação de verba política e enriquecimento ilícito de diretores. Mas o preço desconta tudo.

Para voltar aos níveis de preço da crise de 2008/2009, em torno dos 12/13 reais, o preço do papel precisa subir só 100%, eu disse dobrar o preço atual. Pode isto Arnaldo?!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Aonde o IBOVESPA Vai?!


Se as LTBs forem respeitadas, as próximas estações para embarque e desembarque de passageiros estão em 41.000 e 39.000...


O IFR no gráfico semanal está sobre-vendido mas pode ficar mais. Com a troca dos ministros, rebaixamentos, acirramento da tensão política, queda mundial das commodities, aumento de juros nos E.U.A., dentre outros fatores, a tempestade perfeita muito discutida meses atrás começa se formar no céu do país. Porém alguém já falou: "compre ao sons de trovões, venda aos sons de violinos".

sábado, 19 de dezembro de 2015

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

RNGO11 - Renúncia da Administração do Fundo


Recebi recentemente a seguinte cartinha da administradora do FII Rio Negro...


Espero que a nova administradora (Rio Bravo) não continue com este disparate de enviar correspondência registrada aos cotistas. Não faz sentido nenhum pois o valor cobrado pelos Correios é de R$8,60 por carta. Se o investidor possui 10 cotas do fundo o mesmo receberá em dezembro R$7,60, ou seja, um provento mensal menor do que o valor da correspondência.


Aqui em casa foram duas cartas, uma endereçada a mim e outra endereçada à minha esposa, R$17,20 jogado na lata do lixo. Se continuar assim vou ter que virar sócio dos Correios.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Ué!


Risco-Brasil!


Conforme divulgado hoje de manhã neste post, a previsão era de um dia bem movimentado nos mercados. O noticiário já estava negativo e agora piorou. O Brasil acaba de cair para grau especulativo segundo a avaliação da Fitch e a perspectiva é negativa, ou seja, se nada mudar o país perderá mais graus na escala de pontuação.

O rebaixamento por duas agências de classificação de risco significa a retirada de recursos investidos no país, já que parte dos grandes fundos de investimento exige o selo de pelo menos duas agência para manter suas aplicações. A única agência que ainda não rebaixou o país é a Moody's, mas esta, na semana passada, já colocou o Brasil em revisão para rebaixamento.


O mercado reagiu negativamente de forma imediata após divulgação da notícia como pode ser visto no gráfico abaixo. A queda foi de 600 pontos em 3 minutos, porém, no atual momento já retornou aos níveis que estava antes da notícia. É um mercado realmente imprevisível. Estava precificado?


O IFIX também segue em queda forte nesta quarta-feira como pode ser visto neste post.

Queda dos FIIs


O IFIX (índice de fundos imobiliários) está apresentando hoje uma queda forte. A maior queda diária nos últimos 24 meses. Veja aqui minha lista de monitoramento de ações e FIIs, vai faltar dinheiro... E você, está comprando quais ativos?

Corte no Bolsa Família, Redução da Meta Fiscal, Saída do Ministro da Fazenda, Quantitative Easing...


Daqui 15 minutos abrirá o mercado de futuros. Teremos uma ideia de como será o dia de hoje na bolsa. A previsão é de que teremos um dos dias mais nervosos do ano e o noticiário já começa agitado...


Do Valor Econômico...

“Joaquim Levy acertou com a presidente Dilma Rousseff sua saída do governo já há alguns dias. Mas ficará por mais um tempo breve no cargo de ministro da Fazenda até que Dilma encontre um substituto e o cenário político fique mais nítido”.

Quantitative Easing

Começa hoje o processo de reversão da política monetária americana. Para entender este processo é preciso relembrar o que aconteceu quando a crise global estourou em 2008. Naquele momento a economia parou, o crédito sumiu e o mercado de títulos emperrou (ninguém comprava, ninguém vendia).

Foi então iniciado pelo FED o processo de afrouxamento quantitativo (Quantitative Easing). O governo americano passou a comprar uma grande quantidade de títulos públicos e privados o que resultou em um despejo de US$ 3,5 trilhões no mercado.

Com isto, objetivou-se azeitar a economia e diminuir o desemprego. Sete anos após este objetivo foi atingido. O PIB dos E.U.A. tem crescido 2,4% e o desempregou caiu para 5%. Agora, depois de vários adiamentos, o FED começa a reverter o afrouxamento hoje.

Na prática a revenda dos títulos vai retirar dólares do mercado. Os juros subirão por força da lei da oferta e da procura: com a redução de moeda em circulação seu preço tende a subir. Um dólar mais forte, por sua vez, comprará mais bens e mais serviços.

Aí entra um novo problema a ser estudado pelo FED. O custo de vida nos E.U.A. que está crescendo ao ritmo de 0,5% tende a diminuir levando a um risco de deflação. Este seria um problema tão ou até mais grave do que a inflação, pois levaria a uma queda no consumo reduzindo a arrecadação. A deflação não seria consequência apenas da valorização do dólar. Seria ocasionada também pela queda atual das commodities como por exemplo o petróleo.

O Quantitative Easing beneficiou também outros países. Na medida em que ocorreu um excedente de capital, investidores dos E.U.A. buscaram mercados com atrativas taxas de retorno para se investir. Portanto países como Brasil, Índia e Rússia, onde se encontram as mais elevadas taxas de juros, acabaram captando maior volume de capital financeiro.

Agora, para o Brasil a reversão do afrouxamento quantitativo é encarada como um problema. Teremos o aumento dos juros da dívida externa e também veremos os dólares tomando rumo aos E.U.A.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Última Chamada


Última chamada para divulgação das rentabilidades da blogosfera (última parcial de 2015):

Troll
Migrante
FCLivre
Guardião

sábado, 12 de dezembro de 2015

Mahle-Metal Leve (LEVE3): Na Contramão do IBOV...



Das 44 empresas que tenho em carteira apenas uma tem apresentado valorização da cotação nos últimos 6 meses. A LEVE3 (já falei sobre ela aqui) está na contra-mão do IBOV como pode ser visualizado no gráfico comparativo abaixo:


O que explica este bom desempenho em um momento tão ruim para a indústria brasileira? Principalmente em um momento em que a indústria automobilística bate recordes negativos de vendas a cada mês. A própria empresa responte:


Desempenho





Alavancagem





Crescimento

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Novo Prisma 2017 - Primeiras Impressões


Acesse o novo post: http://abacusliquid.com/consumidor/novo-prisma-2017/


No início deste ano comprei um novo automóvel (relembre aqui) e o modelo escolhido foi o Prisma da Chevrolet. Nestes primeiros meses rodei quase 7.000 km e estou gostando do carro. Não tive nenhum problema até então, a não ser um recall que foi divulgado há alguns dias (veja aqui). O carro é econômico e tem boa potência. Possui um bom espaço interno e um generoso porta-malas.

Agora, a atual geração do Prisma deve receber o seu primeiro facelift com mudanças principalmente na parte frontal e traseira. O estilo visual escolhido será a frente adotada na nova geração do Cruze. Serão modificadas várias partes como grades, para-choque, capô, para-lamas e conjunto de faróis. Particularmente achei esta nova versão dianteira visualmente mais bonita do que a anterior.


Na traseira, o sedan deve ganhar algumas outras pequenas mudanças nas lanternas e para-choque. Abaixo uma projeção de como o conjunto ficará. As lanternas devem seguir a mesma linha do novo Cobalt. Particularmente ainda prefiro o conjunto de lanternas da versão 2016.


No interior são esperadas novidades no painel e na forração interna, além de opção atualizada do sistema de entretenimento MyLink como mostrado na foto abaixo.


A montadora ainda não anunciou oficialmente o lançamento da nova versão. Até o momento apenas o novo Cobalt foi anunciado. Provavelmente este anúncio ficará para o fim de 2017 ou no mais tardar fim de 2018.

Chuva de Granizo

Uma chuva de granizo que atingiu diferentes regiões do Rio Grande do Sul no início de outubro danificou milhares de veículos da General Motors (GM) estacionados no pátio da fábrica, em Gravataí. Com a lataria amassada, os automóveis passaram por reparo antes de serem encaminhados às concessionárias.


Os consertos começaram ainda na segunda quinzena de outubro. Cerca de 4,9 mil carros foram reparados no pátio da fábrica. De acordo com fonte que acompanha o processo, outros 5 mil passaram por manutenção no Velopark, em Nova Santa Rita, onde a montadora estocou veículos em razão da queda nas vendas. A GM confirmou o procedimento mas preferiu não falar em números.

Mesmo que o conserto tenha sido realizado antes da saída da fábrica e a lataria esteja aparentemente perfeita, o veículo não pode mais ser considerado "novo" alertam órgãos de defesa do consumidor.

O que é levado em conta nesse caso é o histórico do automóvel, mesmo que do ponto de vista estético esteja tudo perfeito. O consumidor tem direito de saber se quer comprar ou não o produto e cabe tanto à fábrica quanto à concessionária o dever de informar o ocorrido por escrito – explica Cauê Vieira, diretor-executivo do Procon da Capital.

Fonte 1
Fonte 2
Fonte 3

sábado, 5 de dezembro de 2015

Balanço Mensal - Novembro/2015 (Proventos)


Dando continuidade ao balanço mensal de novembro último (veja aqui o balanço de rentabilidades), postarei hoje o balanço dos proventos. Ficará faltando o balanço das alocações e composição de carteiras.


Em novembro o DY geral de proventos foi de 0,69%, valor este um pouco superior à média histórica de 0,63%. O DY das ações continua bem fraco, neste mês foi de 0,13%, valor bem abaixo da média histórica de 0,34%. Isto reflete a grande dificuldade que temos de achar boas empresas pagadoras de dividendos no Brasil, ainda mais em época de crise. O fator que contribuiu para a elevação do DY médio em novembro foi o aumento de performance dos FIIs que forneceram nada mais, nada menos que 1,07% no mês, valor acima da média histórica de 0,94%. Nem sei quais FIIs contribuíram para este aumento de DY pois não estou acompanhando as distribuições individuais, mas o importante é que no total o bolo distribuído aos cotistas foi muito bom.


Como o assunto do post são os proventos recebidos, então vale colocar aqui a evolução da independência financeira. Antes preciso fazer uma consideração a respeito: estou calculando o fator IF Real dividindo os proventos mensais dos FIIs pelo meu gasto médio dos últimos 6 meses multiplicado por 3. Isto quer dizer que estarei 100% livre financeiramente quando os FIIs estiverem me pagando mensalmente 3x o meu gasto médio mensal. Não estou considerando na conta os proventos das ações pois meu objetivo com elas é crescimento de capital e não aposentadoria, ou seja, apenas os FIIs irão compor minha carteira previdenciária.


Como pode ser visto no gráfico acima, o %IF do mês foi de 11,9%, ou seja, recebi em novembro um valor correspondente a 11,9% dos meus gastos médios nos últimos 6 meses vezes 3. A linha cinza corresponde à projeção de evolução que pode ser vista de forma geral no gráfico abaixo.


No gráfico acima a linha cinza representa a independência financeira em escala percentual. As linhas azul e vermelha representam os proventos e gastos projetados para os próximos anos em escala de valores monetários (real).

Bom fim de semana a todos!

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Balanço Mensal - Novembro/2015 (Rentabilidades)


Fala galera!

Novembro fez que ia... e não foi... o cenário político-econômico continua tenso. O pessoal da S&P já está novamente no país avaliando as condições adversas, possivelmente um novo rebaixamento se aproxima. O pior seria o Brasil perder o grau na Fitch ou na Moody's, desta forma estaríamos oficialmente na região de risco para investimentos estrangeiros. Com o reboliço que se formou na semana passada em torno da prisão do senador a votação do pacote econômico foi postergada. Estamos correndo contra o tempo, e a cada dia uma novidade surge a partir das investigações de corrupção no país. O banqueiro queridinho do mercado foi preso, a casa caiu. Com um apartamento avaliado em milhões de reais na orla carioca o investidor agora dorme em Bangu. Muita maracutaia ainda será revelada, aguardemos. Vamos deixar de papo-furado e ir direto aos números consolidados...

Rentabilidade Geral dos Investimentos (RF+RV)


Rentabilidade da Carteira de Ações


Rentabilidade da Carteira de FIIs


Depois faço o restante do fechamento com calma. Não deixem de postar a rentabilidade anual, divulgarei ainda este mês a última prévia do ranking.

Boa semana a todos!